手机端
当前位置:重庆耍耍网 > 国内新闻 >

Fatos ecoam abertura e transparência da China na luta contra

Um cronograma detalhado publicado na segunda-feira comprovou o fato da China ter divulgado as informações sobre a COVID-19 e avançado a cooperação internacional sobre a resposta epidêmica de maneira aberta, transparente e responsável.

Essa emergência global de saúde pública veio repentinamente. Como o novo coronavírus não era conhecido no passado, sua detecção, pesquisa, teste e confirmação levaram certo tempo. A China cumpriu seu dever e tomou medidas fortes e eficazes o mais rápido possível.

Como mostra a linha cronológica, a Comissão Nacional de Saúde (CNS) enviou um grupo de especialistas a Wuhan, capital da Província de Hubei, no centro da China, para investigação no local em 31 de dezembro, logo após os casos de pneumonia de causa desconhecida terem sido detectados pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças de Wuhan.

A partir de 3 de janeiro, a China passou a informar regularmente à Organização Mundial da Saúde (OMS), além de países e regiões relevantes sobre o surto da tal pneumonia. Em 12 de janeiro, a CNS compartilhou com a OMS informações sobre a sequência do genoma do novo coronavírus, estabelecendo uma base sólida para os esforços globais de pesquisa científica e desenvolvimento de vacinas.

Os fatos ecoam mais do que as palavras. A China tem sido aberta, transparente e responsável em todos os seus esforços. Notícias sobre as reuniões de liderança sobre o controle e a prevenção da epidemia foram divulgadas de forma oportuna. Os líderes chineses frequentemente conversaram por telefone com os chefes de outros países, promovendo a cooperação na prevenção e controle epidêmicos.

O governo chinês dá grande importância à divulgação de informações precisas e oportunas sobre a epidemia. Entrevistas coletivas estão sendo realizadas todos os dias para responder a perguntas de interesse do público e da comunidade internacional.

Cientistas chineses têm cooperado com especialistas de outros países e compartilhado os resultados de pesquisas em plataformas internacionais, incluindo os periódicos Nature, Science e Lancet.

A China também tem compartilhado sua experiência em prevenção, controle e tratamento com o resto do mundo sem reservas.

Os esforços da China garantiram a vida, a segurança e a saúde do povo chinês e ganharam um tempo valioso para outros países combaterem a COVID-19. Segundo a OMS, as medidas da China alteraram o perigoso curso da rápida disseminação do vírus e impediram centenas de milhares de infecções.

Agora, a COVID-19 assombra mais de 200 países e regiões. Nesse momento crítico, nos unirmos como um é o único meio para o mundo prevalecer sobre a pandemia.

No entanto, diante da censura por sua resposta ao surto, alguns políticos dos Estados Unidos estão apelando para jogos de acusações. É imoral politizar uma emergência de saúde pública no momento em que centenas de milhares de pessoas estão sofrendo e até enfrentando ameaças de morte. Mentiras e difamações apenas desperdiçam tempo e colocam mais vidas em risco.

A China está se esforçando ao máximo. Sabendo o quão difícil é combater a COVID-19, o país está sob todas as circunstâncias ao lado das pessoas ao redor do mundo que estão sendo devastadas pelo vírus. Diante da epidemia, um inimigo comum da humanidade, ninguém pode lutar sozinho.

Enfrentando "a crise mais desafiadora que enfrentamos desde a Segunda Guerra Mundial", como avaliou o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, não temos outra escolha a não ser dar as mãos para superar isso juntos.


分享至:

相关阅读